Skip to content

Gaza

Gaza

Ouço um trovão. Intenso, mas longe o bastante para não produzir nenhum relâmpago. Penso em Gaza no horror que deve ser ouvir um som semelhante e saber que se trata de uma bomba: em algum lugar desse mundo um sujeito perplexo como eu sofre por conta do som do que poderia ser apenas um trovão. Um sujeito como eu – fraco, frágil, mais um entre muitos – colhido por esse turbilhão aterrador e incompreensível que no entanto nos exige adesão e ódio.

É preciso odiar porque é impossível compreender. Somos entulhados de informações e fatos, sequências de fatos que se encadeiam à História com H de Horror e fornecem a justificativa moral de nosso Hódio com H de Horror temperado por alguma Hética com H de Horror numa progressão que nos condução à Hirremediável conclusão de que há de haver um culpado.

Quando voltaremos a ser apenas omens sem esse h mudo de medo? Quando foi que o H maíúsculo da História penetrou nossa Hessência e nos tornamos Hisso: judeus, árabes, muçulmanos, cristãos, brancos, pretos, amarelos atados por um longo rio do mesmo sangue que nos afoga a todos?

A História é nome que damos à Vingança perpétua e sem trégua. Aprendemos matar, mas quando aprenderemos a morrer?

* * *

Há os que esperam compreender para melhor odiar.

Para esses, não haverá salvação.

4 comentários

  1. Dorila

    H de …itler

  2. Maria de Lourdes

    Gostei muito da sua crônica. Vc explicou muito bem o que sentimos com essa guerra. Parabéns!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *