Skip to content

Veludo escondido na pele enrugada

Ela que tanto trabalhara tinha agora mãos delicadas de bebê. Inefáveis mãos de nuvem (onde eu mesmo me sentia como fora antes de mim quando um só com ela): ela agora tinha as mãos do bebê que eu fora.

Ah, o tempo e suas dobras: “veludo escondido na pele enrugada” – verso/equação que traduz a exata dimensão de algo tão imponderável e vasto como o sentimento/sensação que une mãe e filho.

Tua mão – ao toque, nuvem; contra o tempo, pedra.

Quisera fosse nunca, quisera fosse sempre; mas o tempo não espera, breve. Eu/tu ainda segue o secreto destino que traçamos e que na pedra se espelha..


Para sempre

Carlos Drummond de Andrade

Por que Deus permite
que as mães vão-se embora?
Mãe não tem limite,
é tempo sem hora,
luz que não apaga
quando sopra o vento
e chuva desaba,
veludo escondido
na pele enrugada
,
água pura, ar puro,
puro pensamento.
Morrer acontece
com o que é breve e passa
sem deixar vestígio.
Mãe, na sua graça,
é eternidade.
Por que Deus se lembra
– mistério profundo –
de tirá-la um dia?
Fosse eu Rei do Mundo,
baixava uma lei:
Mãe não morre nunca,
mãe ficará sempre
junto de seu filho
e ele, velho embora,
será pequenino
feito grão de milho.



3 comentários

  1. Dorila

    Ficou lindo ! Lindo começar o meu dia oriental com um toque de mãe (ainda que distante)

  2. Beatriz Mathias

    Que coisa mais linda ♥️

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *