Skip to content

Juízo Final

Gosto da ideia de um Juízo Final: aquelas milhares de pessoas que passaram pela nossa vida,desde as mais anônimas e fugazes até as que amamos ou pensamos amar, cada uma dizendo o que achou de nós e despejando sua gratidão, sua simpatia, seu desprezo ou seu ressentimento nos pratos da balança que um anjo sustenta no ar.

Vicktor Vasnetsov, The Last Judgment

E a cada “sim” ganhamos substância; e a cada “não” nos desvanecemos um pouco, até que ao fim ou começamos a existir de fato ou nunca teremos de fato existido.

E no último instante antes das trevas do esquecimento, talvez um traço de melancólica ironia ainda subsista em alguns e então se pense: “Como teria sido fácil a salvação…”

Um sorriso, um afago, uma palavra doce, um silêncio dolorido compartilhado, uma esmola, um abraço, um pão, uma roupa velha, um… Como teria sido fácil.

4 comentários

  1. Dorila

    E é assim que vou me dando conta da eternidade…

  2. É uma boa maneira de encarar essa nossa enigmática existência e o que a ela sucederá, Karika…. Mantermos este conceito em mente pode nos fazer pessoas melhores. 😎🤙

    • Oi, Rogério! É isso… E como seria fácil ser melhor; custa tão pouco.
      (Já chegou da Itália?)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *